Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

StartApps

Um blog de Teresa Noronha sobre Startups, Apps e empreendedorismo em português.

À Conversa com #11: Marta Silva da Fábrica de Startups

Saiu na altura da crise e emigrou para Macau. Ganhou mundo e perspectiva. Felizmente, como muitos dos bons profissionais deste país está de volta, para fazer acontecer. Acompanhou o que se passava em Portugal e envolveu-se no ecossistema mesmo em Macau, e nota as diferenças do que aconteu por cá. Marta Silva é a Marketing Director da Fábrica de Startups. Estivemos à conversa na Feira do Livro de Lisboa.

 

170607_startapps_c_lais_pereira (10).jpg

 

 

 

 

 Marta, o que é a Fábrica de Startups?

A Fábrica é uma aceleradora de startups, mas também mais do que isso, pois apoiamos diferentes fases de desenvolvimento das empresas. Fomentamos o empreendedorismo e a criação de mais e melhores startups em Portugal, sempre com uma vertente internacional. Os nossos programas de ideação, aceleração e crescimento são cruciais para ajudar empreendedores.

 

Como?

Com os programas de ideação, ajudamos empreendedores a desenvolver e validar a ideia de negócio, assim como a encontrar uma equipa de trabalho. Temos tido ótimos resultados com estes programas, que fazem a ligação entre os desafios estratégicos de determinados sectores e as ideias de negócio. Na fase de aceleração, os programas FastStart ajudam as startups no seu modelo de negócio, desenvolvendo uma oferta mais forte (contamos com uma rede de parceiros e mentores neste processo). No limite, ajudamos os empreendedores a preparar a startup para receber o investimento. Depois vem o momento do crescimento, a confirmação do modelo de negócio que resultou da fase de aceleração. Asseguramos um follow up em vendas, marketing e processos, personalizado pelos nossos orientadores, encontrando juntos um programa de apoio ao crescimento.

 

170607_startapps_c_lais_pereira (17).jpg

 

Como chegaste à Fábrica de Startups?

A minha relação com a Fábrica de Startups é antiga. Em 2012, quando o empreendedorismo ainda não era moda e se começaram a sentir as consequências da crise em Portugal, dei o salto do marketing para projetos de empreendedorismo e metodologias revolucionárias de lean startup. Nessa altura, ajudei a organizar o primeiro grande concurso de empreendedorismo em Portugal – o Energia de Portugal (evoluiu para o atual EDP Open Innovation). É com muito orgulho que digo que ajudei a criar os alicerces do projeto Fábrica de Startups. Pouco tempo depois, porém, tive uma oportunidade aliciante e emigrei para Macau. Fiquei lá cinco anos, mas o destino trouxe-me de volta à Fábrica de Startups.

 

Como é que isso aconteceu?

O António Lucena de Faria e o Martim Avillez Figueiredo, que estão à frente da Fábrica, contactaram-me em Outubro do ano passado e desafiaram-me para ajudar a organizar o Startup Macau Forum, um projeto pioneiro nessa geografia. Pela primeira vez na região, 15 startups - cinco da China Continental, cinco de Macau e cinco de Portugal - iam concorrer para serem as melhores ideias de negócio. Mas mais que isso, estávamos nessa altura a dar os primeiros passos para a construção de um ecossistema e de uma comunidade empreendedora internacional. Correu tudo muito bem e acabei convidada a voltar à empresa. Com muito entusiasmo, agarrei novamente o projeto da Fábrica de Startups. Foi como um regresso a casa. Literalmente.

 

170607_startapps_c_lais_pereira (30).jpg

 

Que diferenças notas no mercado nacional?

Evoluiu muito. O trabalho de evangelizar o mercado para os conceitos de empreendedorismo, startup, validação de modelos de negócios, inovação ou lean startup já foi feito. Vejo muito mais abertura por parte das empresas para discutirem connosco novas formas de trabalhar e de validar as suas decisões de investimento. Mas ainda há muito trabalho pela frente. E como em tudo, este “excesso de oferta” obriga os principais players a aguçar o engenho, a diversificar a oferta e a verdadeiramente acrescentar valor naquilo que fazem. É com esse objetivo que estou na empresa. Para continuar o excelente trabalho desenvolvido pela equipa da Fábrica, encontrar formas de aplicar as nossas metodologias ao nível corporativo e encontrar novos mercados, trabalhando a internacionalização.

 

O que está a fazer os emigrantes de 2012 voltarem a Portugal?

A “debandada” que vimos em 2012 teve muito a ver com falta de oportunidades em Portugal. Sempre houve emigração e hoje entendo muito melhor o fascínio destas experiências internacionais. Mas Portugal é um sítio extraordinário. Havendo oportunidades de trabalho, boas condições para desenvolver projetos ou abrir novas empresas, é difícil resistir ao apelo do regresso a casa. A carga fiscal pode ser desencorajadora, mas o impulso que o turismo tem dado ao país serve como impulsionador da economia. Não tenho uma resposta concreta que explique o regresso dos emigrantes, mas acredito que esteja relacionado com a onda de otimismo que sinto entre os portugueses.

 

Como é que as startups podem aproveitar esse momento?

Os empreendedores são estimulados pela oportunidade. Neste momento, é no turismo e serviços que as oportunidades mais aparecem. Tem que se pensar em novas formas de atrair turistas, vingar pela qualidade do serviço, refletir sobre o que se pode fazer no turismo de experiência, de inclusão, sénior, de saúde. O leque é muito vasto, principalmente quando saímos de Lisboa e Porto. A Fábrica está a desempenhar um papel fundamental, ajudando os empreendedores a desenvolver as suas startups na área do turismo. A nossa parceria com o Turismo de Portugal já tem mais de três anos e em 2017 o desafio é maior do que nunca. Estamos a organizar o Tourism Explorers, o maior programa nacional de ideação e aceleração de startups na área do turismo. Envolvemos 12 cidades, que estão simultaneamente a fazer os programas connosco através de uma infraestrura tecnológica.

 

170607_startapps_c_lais_pereira (39).jpg

 

 

Podes dar mais detalhes?

Ao longo de cinco dias, de 10 a 14 de Julho, vamos trabalhar os desafios estratégicos do setor, fazendo a ligação aos incentivos ao investimento por parte do turismo de Portugal. Os empreendedores das 12 cidades vão juntar-se em equipa e dar os primeiros passos para o que poderá ser uma startup de sucesso. A final nacional é na Porto Business School, com os vencedores de cada uma das cidades. Em setembro, arrancamos com a fase de aceleração, com oito bootcamps semanais, ao longo de oito semanas. As startups, já mais evoluídas, vão validar e desenvolver o seu modelo de negócio. Acabamos o programa a 23 de outubro na Startup Braga, mesmo a tempo para seguir dali para o WebSummit. Resumindo: como podem as startups aproveitar este momento? Desenvolvendo os modelos de negócio e validando todos os seus componentes, para fazerem a diferença no setor turístico em Portugal. E por que não fazê-lo connosco?

 

De regresso a Portugal, o que trazes na bagagem para ajudar a economia do teu país?

Cheguei há três meses da China. Ainda olho para Portugal com algo novo, vejo uma evolução extraordinária. Os números da faturação no turismo não param de crescer, são impressionantes. Acredito que a verdadeira experiência portuguesa é feita com negócios genuínos, mas de qualidade. Vim de Macau, um território que depende essencialmente do jogo e que ainda não conseguiu diversificar a sua oferta turística. A minha experiência na China ensinou-me a relativizar as coisas, a olhar para os desafios com outra perspetiva. É isso que tento fazer nos projetos onde estou envolvida.  E porque um dos nossos objetivos é a internacionalização, uso os conhecimentos adquiridos para testar e validar modelos de negócio cujo alvo são os mercados chineses. Espero que seja assim, fazendo uma ponte para o mercado chinês, que na minha ínfima dimensão ajudo a economia do país.

 

170607_startapps_c_lais_pereira (42).jpg

 

Quais são as tuas Apps e Startups de referência?

Adoro testar novas aplicações, apesar de reter poucas no telemóvel. Uma que me acompanha neste regresso a casa é o Waze. Para alguém tão desnorteada como eu é uma grande ajuda. Estou fã, além de que gosto sempre destes casos de sucesso. Outra que uso sempre em férias é o Storyo. Gosto da forma como organiza as fotos e faz pequenos resumos com vídeo e animação. Foi com surpresa que descobri que eram portugueses, quando eu já era cliente. Mas o conceito de shared economy é aquele que provavelmente mais revolucionou as nossas vidas e é impossível não referir Uber, Cabify e Airbnb, porque mudaram os nossos hábitos.

 

Marta que tudo corra bem!

Fotografia Lais Pereira

Mais sobre mim

foto do autor

Calendário

Junho 2017

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

BlogsPortugal

Google Analytics