Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

StartApps

Um blog de Teresa Noronha sobre Startups, Apps e empreendedorismo em português.

À Conversa com #6: Nuno Machado Lopes sobre o Lisbon Challenge (3ª Parte)

O Lisbon Challenge. Qual o momento certo para uma candidatura. O que se pode esperar do programa. O Demo Day. Algumas Apps da edição que se encontram a decorrer. Algumas boas notícias sobre o que já alcançaram. A mim cabe-me o mais fácil, desejar sucesso, às Startups e ao programa. Até Já!

 

161124_appsparaquetequero_c_lais_pereira (3).jpg

 Fotografia Lais Pereira

 

Como é que mantêm a comunidade de Startups que participaram nas edições anteriores?

Temos um Aluminae, temos pessoas encarregues de manter a comunidade de Aluminae, temos encontros, quando temos investidores que estão interessados colocamos todos em contacto. Estamos sempre a trabalhar a comunidade da melhor forma e também muitas vezes vêm ter connosco, sabem que têm sempre uma porta aberta. E continuam a recorrer a nós quando necessitam de uma opinião, isso faz parte do nosso trabalho “estar aqui para ajudá-los”.

O empreendedorismo é solitário, nós quando temos uma empresa ou temos fé em Deus e olhamos para cima e esperamos uma decisão sobre o que vamos fazer em termos de tesouraria, ou como é que vamos agora dizer aquelas duas pessoas que já não podem trabalhar mais connosco a quem nós vendemos um sonho e eles deixaram tudo para vir trabalhar connosco. Enfim, há um conjunto infindável de situações e por isso é que não é para todos. Quando escrevi um livro e editei-o em Janeiro deste ano, a ideia foi mostrar o outro lado do empreendedorismo. Eu tive pessoas que me disseram, olha eu até estava a pensar em ser empreendedor mas esquece. E por isso valeu ler o livro. E eu acho que isso é importante.

Muitas vezes ao falar com founders eu peço para me definirem: O que é o sucesso e o que  estão a tentar alcançar e em segundo perceber, qual a razão pela qual eles estão a criar a empresa; alguns dizem que é porque querem viajar, porque querem estabilidade financeira, porque não querem trabalhar para outros, porque querem liberdade e nós explicamos, vocês acabaram de descrever Corporate Life.

E por isso não promovemos esta ideia de que startups são cool e fantásticas e que a vida corporate é cinzenta e horrorosa, mas são duas opções, ambas trazem benefícios e nós estamos sempre a olhar para o outro lado e a pensar que o outro é que é melhor. Ontem eu estava a falar com eles e era exatamente sobre isso. Nós estamos numa startup e estamos a olhar para o Corporate Life e é uma sorte e vice-versa quem está no Corporate olha e diz estes gajos têm os horários que querem, têm a flexibilidade toda, andam vestidos de forma diferente, chegam atrasados. Não, os profissionais não chegam atrasados, obviamente ninguém vai pedir dinheiro a um investidor de calções, por isso há um exagero.

 

 

As Startups com quem eu falo dizem sempre que depois do programa se sentem mais preparados para falar com os investidores.

Sim, o programa de aceleração é do produto, mas claro que é para as pessoas. Por isso o que nós tentamos fazer nos últimos 20 anos e aprendi, tento colocar tudo isso em 3 meses, com zero bullshit, nós aqui somos muito frontais, não para desencorajar, mas para não perderem tempo, para focar e também para terem o mesmo comportamento com outras pessoas, para não serem iludidos. Na segunda ou terceira reunião perceberem se há mesmo interesse da parte do investidor para perceberem se é uma perda de tempo ou não, perceber desde cedo se há uma possibilidade para criar um piloto ou um protótipo na empresa ou não.

Da mesma forma que perguntam: “- Que tal?” e eles “sim sim isso é interessante” e vão acontecendo reuniões. O importante é que se precisamos do dinheiro em Dezembro sermos transparentes e dizer se estão mesmo interessados em investir em nós vamos conversar, vamos falar, traçar um plano sobre o que nós precisamos de vocês, o que vocês precisam de nós, para isto ser e estar feito. E este tipo de abordagem dá abertura para do outro lado dizerem, bem se calhar isto não é bem para nós e aí descartamos aquela hipótese e vamos em frente.

 

161124_appsparaquetequero_c_lais_pereira (12).jpg

  Fotografia Lais Pereira

 

 

Qual é o momento de maturidade de um projeto para se candidatarem ao Lisbon Challenge?

Isso é difícil e estamos sempre a tentar defini-lo. É aquele momento em que já existe um produto e que o produto já está lançado. Porque o que nós estamos à procura é de quem tem capacidade de executar, por isso, se vêm com a ideia, se vêm com um produto que está quase acabado, nós não sabemos se têm a capacidade de acabar. Porque, por exemplo, podem ser pessoas que estão sempre a trabalhar no perfeito. Oproduto não precisa de ter muitos clientes, mas tem de demonstrar, o produto até pode não ser grande coisa, mas pelo menos tem a capacidade de atirar para o mercado e ver se dá e podemos trabalhar esse produto. Nós estamos à procura de um perfil de empreendedores que estejam unidos e que tenham capacidade de sobreviver ao que vão enfrentar que é provavelmente uma das coisas mais difíceis da vida deles. Por isso, é que é contínuo. Porque isso é outro mito, que se tem de puxar um ano ou dois e depois é sempre a subir, mas não. Temos de ter capacidade de aceitar que vai ser sempre assim, a subir e a descer.

Fui almoçar com uma amiga da altura da universidade que já não via há 20 anos e quando nós explicamos numa hora e meia os últimos 20 anos, nós percebemos que é sempre assim. São períodos de altos e baixos. Nunca é uma coisa de dizermos, olha houve um período de 5 anos que foi sempre impecável, não. Mesmo num período de 1 ano a conversa é: estava no topo, depois estava cá em baixo, estava no topo depois estava cá em baixo e verificamos sempre a mesma coisa, quando estamos cá em baixo subimos sempre. Por isso quando estamos cá em baixo é preciso ter coragem, para lutar eacontecerá. Mas quando nós percebemos isto, preparamo-nos. Quando estamos lá em cima temos que preparar a empresa também para a queda. É importante ser clean, não termos custos que depois não conseguimos suportar, etc.

Por isso quando começamos a explicar desta forma aos empreendedores começa a haver uma certa lógica por trás, que não é só o que nos passaram. É preciso não gastar muito e ter uma elasticidade financeira para estes períodos, para os períodos de queda . Na tecnologia estamos sempre a tentar angariar clientes e a retê-los, mas é uma luta dura e quanto mais queremos uma subida exponencial, maior será a queda e maior o risco , porque não estamos a criar uma base e um utilizador está lá um dia e no outro dia já não está.

 

 

Uma dica para quem está a pensar candidatar-se ao Lisbon Challenge?

Primeiro é ser intelectualmente honesto consigo próprio, e perceber se tem um produto, se não tem um produto, se está pronto. Interagir connosco antes. É muito mais fácil entrar num programa de aceleração quando as pessoas são recomendadas ou nos conhecem. Na Beta-i é facílimo, todas as sextas-feiras temos aqui o Thanks God is Friday onde as pessoas podem vir e beber cerveja e falarem connosco, com toda a gente da equipa e por isso penso que as Startups fazem pouco isso;mas da mesma maneira que dizemos às pessoas que estão à procura de emprego, em vez de estarem a mandar 10.000 currículos e fazer o jogo dos números, é focar onde nós queremos e depois investir tempo em conhecer as pessoas, conversar com as pessoas, perceber o que estão a procurar do lado de lá, ter a honestidade de olhar e perceber que ainda não se está pronto, para perguntar sobre o que é que preciso fazer.

O próximo programa arranca em Setembro e vai ser ainda mais exigente e um bocadinho diferente também, por isso se começarem já a trabalhar connosco e se mostrarem obviamente que será  uma das formas mais fáceis de entrar no programa.

 

 

161124_appsparaquetequero_c_lais_pereira (8).jpg

 Fotografia Lais Pereira

 

 

Uma dica para quem está a concurso e tão próximo do Demo Day?

Para nós o Demo Day não tem essa relevância, na atual edição. Porque nós mudamos um bocadinho esse foco. Da mesma forma que nesta edição pedimos às Startups que tivessem os seus objetivos de grosso modo bem traçados, nós também quisemos fazer o mesmo. Nós colocamos como nosso objetivo que todas as Startups estivessem investidas antes do Demo Day. Nunca tinha acontecido!

Normalmente era no Demo Day a sua apresentação. Neste programa decidimos colocar as Startups em contacto com os investidores desde o início, para irem criando uma relação com os investidores e na realidade temos já 2 equipas com promessa de investimento e ainda não chegamos ao Demo Day. Uma outra que entrou no Ycombinator em Janeiro e outros 2 que estão em conversas. Isso para mim, é a validação que esta estratégia funciona. Vão ter Demo Day, mas o Demo Day é mais uma validação, é quase um último dia em que eles apresentam, mas onde já conhecem os investidores. Não queremos que seja abordado como um espetáculo.

Ainda por cima o Demo-Day para nós é fechado, vêm investidores, não vem imprensa, não vêm amigos, são aquelas pessoas. Não vamos fazer espetáculo, já fizemos espetáculo no passado, mas este ano, nesta edição decidimos fazer uma coisa fechada e quando nós temos esta premissa founder-centered, há um conjunto de coisas que nós não podemos fazer para o bem do programa de aceleração, para o bem da Beta-i, e não para os founders. Desde o início nesta edição que não fazemos uma festa de abertura, que não estamos a anunciar, também paramos de escrever e anunciar quais eram as startups sortudas e por isso é um mindshift em termos de confiança, é tão importante nós escolhermos as startups, como as startups nos escolherem a nós. Em todos os contactos que tivemos nos mostramos em pé de igualdade,; para nós também é importante convencermos as startups a virem ao Lisbon Challenge. Dois deles estiveram quase para não participar.

 

 

Quais são as Apps de referência do Lisbon Challenge?

São várias e de formas diferentes. Temos a Moneytis que é uma equipa e que desde o início demostraram que são novos, são vários, uma equipa maior do que as outras mas altamente focada, depois têm aquela chiquinesse, que se esticam um bocadinho mas nós achamos piada. No dia-a-dia conseguiram ir ao Y combinator e isso não surpreende, porque temos visto o trabalho que eles têm feito aqui.

A Heptasense tem uma tecnologia fantástica, são focados e estão a entrar num mercado difícil.

A Housy, que quando mostram o seu produto, não se destacam, mas quando começam a falar com as fundadoras sobre ele, ficamos logo apaixonados.

Youdside que se sentem muito bem aqui e que querem ser uma empresa sustentável e percebem que este é o sítio certo e nós ajudamos a criar.

Wit que são dois, e que parece que se conhecem desde os 5 anos, mas só se conhecem há 4 meses com uma sincronia e que funcionam perfeitamente

Grande parte das equipas aqui têm potencial, mas a execução e a qualidade do produto é que vão ditar o sucesso. Um deles conseguiu o financiamento no Web Summit. Por isso se temos o foco, o produto e vamos atrás normalmente os resultados vêm. Nós nunca sabemos é quando e nunca é dentro dos nossos timings, se nós acho que vamos fechar isto em duas semanas ou três, vemos duplicar ou triplicar o tempo, mas depois de termos chegado lá, passado um ano ou dois, pensamos, é pá, afinal até foi rápido, por isso as expectativas muitas vezes estão mal dimensionadas, mas está mais nas mãos deles em execução do que no resto. Agora é ver se eles estão dispostos a executar e a acreditar que mais tarde ou mais cedo vai dar.

 

 

161124_appsparaquetequero_c_lais_pereira (33).jpg

 Fotografia Lais Pereira

Mais sobre mim

foto do autor

Calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

BlogsPortugal

Google Analytics