Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

StartApps

Um blog de Teresa Noronha sobre Startups, Apps e empreendedorismo em português.

À Conversa com #8: Carlos Gonçalves do Avila Spaces

O Avila Spaces é um espaço pioneiro de coworking em Portugal. 

Para as Startups, chega um momento que o espaço próprio, seja a garagem do pai, ou o escritório lá de casa, deixam de ser os locais indicados porque é necessário estabelecer relações, criar vínculos e muitas vezes partilhar, mesmo que sejam apenas desabafos.

É neste contexto que conversei com o Carlos Gonçalves, pessoa que trabalha neste campo onde tem desenvolvido o seu trabalho, editou um livro sobre o tema e se mantém atualizado em conceitos. O Avila Spaces consegue refletir esse conhecimento e gosto de quem sabe o que faz.

 

161205_startaps_avila_c_lais_pereira (18).jpg

 Fotografia Lais Pereira

 

O Avila Spaces foi criado a pensar em que target?

O espaço aqui foi criado a pensar em todas aquelas empresas ou profissionais que necessitam de um modelo de trabalho alternativo ao escritório tradicional. O Coworking na altura ainda não estava cá, era um conceito, nós fomos pioneiros no desenvolvimento desta oferta em Portugal.

 

Há quantos anos?

Nós tivemos um primeiro projeto em 2008, um projeto piloto e depois abrimos o nosso espaço de coworking em 2012 com base nesse projeto piloto que durou cerca de um ano e com base também em algum benchmarking e algumas práticas internacionais que nós adotamos. Fomos também influenciados pela procura que se fazia sentir já nessa altura. E portanto este espaço é um espaço aberto a todas as empresas e profissionais que desejem trabalhar num modelo mais flexível, no centro de Lisboa, com boas acessibilidades, que valorizem o conforto das instalações e a imagem. O nosso coworking é muito orientado para as empresas, portanto eu diria que é um coworking corporativo.

 

Em que situações e que entidades é que procuram o espaço de coworking?

São essencialmente empresas, pequenas estruturas empresariais, temos poucos freelancers, temos mais empresas. Diria que 80% são empresas, 20% são freelancers e portanto é um espaço que dadas as suas características, a questão da imagem, da modernidade, do facto de ter tecnologia de última geração, salas de reunião equipadas e de ter um apoio de secretariado, que é algo que nos diferencia um pouco também de outro tipo de espaços de coworking e estarmos no centro de Lisboa, faz com que grande parte da procura seja de empresas.

 

161205_startaps_avila_c_lais_pereira (10).jpg

Fotografia Lais Pereira

 

Quais as razões e alterações ao nível da dinâmica empresarial que ocorreram que quanto ao Carlos justifica a alteração da presença das empresas no mercado?

Eu penso que existem essencialmente 3 razões:

  1. A crise;
  1. Na sequência da crise as empresas sentirem a necessidade de racionalizarem custos e concentrarem o seu investimento no seu core business e menos no imobiliário;
  2. Por outro lado, existe um fenómeno muito interessante que é o facto de as novas gerações, nomeadamente os millennials que nasceram em meados dos anos 80 e a geração Z que é a que está a entrar no mercado de trabalho, sentirem-se muito bem neste tipo de espaços e são gerações para quem o modelo de trabalho é flexível, são gerações que cresceram com a tecnologia e que lhes permite trabalhar a partir de qualquer lugar, onde se sentem bem.

Cá em Portugal as empresas estão a começar a perceber este fenómeno, esta realidade. Neste momento já não é só uma questão financeira, porque podiam perfeitamente arrendar ou comprar um espaço, mas perceberam que, era interessante ter os colaboradores a trabalhar num espaço de coworking, porque se sentem bem. São gerações que gostam de colaborar, gostam de partilhar e acima de tudo gostam de trabalhar num sítio onde se sentem bem.

 

Uma empresa que está a iniciar atividade, quais são as vantagens que tem?

O facto de estar aberto 24 horas, as empresas de um dia para o outro podem começar a trabalhar. O nosso cliente quando nos procura pretende também ter o apoio do secretariado, de backoffice, por isso é que nós incluímos o serviço de escritório virtual nos nossos pacotes.

 

161205_startaps_avila_c_lais_pereira (7).jpg

 Fotografia Lais Pereira

 

O que é um serviço de escritório virtual?

É um serviço de secretariado à distância que permite as empresas, neste caso os coworkers, estarem focados no seu trabalho mas têm o apoio do secretariado que recebe a correspondência, recebe as chamadas telefónicas, que atende o telefone em nome das empresas, que reencaminha as chamadas para o exterior, se o cowoker estiver no exterior. Muitos dos nossos clientes não querem ser incomodados querem estar focados no seu negócio e existe uma notificação cada vez que chega uma chamada telefónica, o cliente acede através uma aplicação que nós desenvolvemos, o MyOffice. Esta App foi desenvolvida numa parceria com duas empresas portuguesas e que permite que os nossos clientes tenham acesso a toda essa informação.

As 24 horas, é importante também na situação internacional, devido aos fusos horários e daí também a aposta na tecnologia que é importante neste tipo de espaços, nós além de termos um atendimento das 8 da manhã às 19:00h nós temos um serviço de voice mail to e-mail, por isso depois do horário, mesmo que a telefonista não atenda o telefone podem deixar mensagem e recebem por e-mail a mensagem de voz mesmo que seja às duas da manhã.

O espaço está aberto 24 horas para clientes.

 

Qual é o futuro dos espaços de escritório?

O futuro eu julgo que será a combinação entre vários modelos. Eu escrevi um livro. O livro dá a nossa visão sobre o que pensamos ser o escritório do futuro, que seria uma combinação entre vários modelos de trabalho. O coworking, os escritórios virtuais, e o teletrabalho. Sendo que os escritório físico existirá sempre, aquelas empresas que pela sua atividade profissional, ou pelo número de colaboradores irá precisar sempre de ter o seu espaço físico. Mas eu acho, que pela evolução tecnológica e também pela forma como as novas gerações vêm o espaço de trabalho, esta flexibilidade e esta opção de podermos trabalhar a partir do sítio que nos der mais jeito ou no sítio em que nos sentimos melhor, mais focados naquele momento eu acho que será um pouco o futuro dos espaços de trabalho. Antes tínhamos o escritório que era algo que era standard, que era um espaço de trabalho entre quatro paredes, agora temos estas várias opções, e o coworking faz parte destas opções.

 

161205_startaps_avila_c_lais_pereira (8).jpg

Fotografia Lais Pereira 

 

O Coworking no empreendedorismo também ajuda na jornada solitária, mesmo que os negócios sejam diferentes ter alguém com quem falar, num inicio de atividade de um novo negócio é importante.

Sem dúvida, acaba por haver uma mentoria mais ou menos informal. Essa é de facto uma das grandes vantagens, é o espirito de colaboração, o espírito de interajuda que se cria no espaço de co-working. Tem de haver uma dinamização desse próprio espirito, eu acabo por fazer essa mentoria informal de comunity manager deste espaço não só através da promoção dos eventos que fazemos em participação com os nossos clientes, como apresentando e tentando fazer um matching entre co-workers, e entre clientes que têm escritório físico que estejam a necessitar de um apoio jurídico, ou de uma acessória de imprensa, poderá encontrar isso aqui no espaço de coworking e portanto essa é uma grande mais-valia. Há um exemplo muito interessante, do facebook que se encontra na versão inglesa do meu livro que foi editada no ano passado, com outros casos de estudo. O livro é um conjunto de estórias de pessoas que decidiram adotar novos modelos de trabalho e entretanto, no espaço de dois anos surgiram outras estórias que eu achei interessante e coloquei neste, uma das estórias é precisamente esta do facebook que antes de abrir as suas instalações em Boston, eles decidiram pela facilidade de começarem em 24 horas, decidiram colocar os colaboradores em espaços de coworking num espaço que se chama work bar, em que eles tinham os colaboradores a trabalhar a partir de dois centros, julgo eu em boston, pela questão da facilidade, porque o facebook em questão é uma empresa que necessita de conhecer a realidade, necessita de conhecer os negócios, o comportamento do consumidor e os espaços de co-working são ideais para esse tipo de trabalho, mas mesmo depois da abertura da sede, em Boston eles mantiveram o contacto com as comunidades. E portanto eles perceberam que aqueles espaços não eram só espaços de trabalho, mas centros de networking onde os seus colaboradores, poderiam manter o contacto com as realidades empresariais onde poderiam estabelecer parcerias e sinergias com outras empresas, e isso é muito habitual em empresas tecnológicas, como a Google, o Facebook, a Cisco e outras. A Telefónica faz isso através de um espaço de coworking que tem a incubadora a Wayra, por isso as empresas estão a perceber que os espaços de coworking são espaços muito interessantes.

 

Quais foram os princípios que orientaram o Ávila Spaces?

Nós aqui somos um espaço mais orientado para empresas que estão mais fora das indústrias criativas, mais empresas de serviços que procuram um espaço confortável, tranquilo, com vários tipos de ambiente. Desde o local de trabalho, passando pelas phone boots até ao lounge, que é como nós vemos o futuro dos espaços de trabalho. Vários ambientes, dentro de um ambiente.

Nós temos visto estudos que chegam à conclusão que existe uma grande percentagem de pessoas que estão na força de trabalho que são pessoas introvertidas. E como tal não se sentem confortáveis a trabalhar a tempo inteiro num open space, portanto nos anos noventa houve aquela febre de se criarem open spaces, das empresas deitarem as paredes abaixo e toda a gente trabalhar em open space, as pessoas foram forçadas a partilhar o espaço de trabalho os espaços de co-working normalmente são espaços que trabalham só em open-space e eu acho que é importante que os  espaços terem também ambientes para responderem às necessidades dessas pessoas que têm umperfil menos expansivo e que não se sentem tão bem a trabalhar num espaço aberto, porque isso influencia a capacidade de concentração e a produtividade dessas pessoas, e daí que haja necessidade de haver áreas reservadas. As quite-rooms, as cabines telefónicas, para duas ou 3 horas. Porque a realidade é que nós temos aqui no espaço pessoas que não querem colaborar, que procuram um espaço de co-working porque é um espaço confortável, onde conseguem ter acesso a um conjunto de facilidades como o café, a copa, um acesso 24 horas mas que não têm um espirito muito colaborativo. Nós temos de respeitar também essas pessoas.

 

Qual é a App de Referência do Avila Spaces?

A que permite a relação com os nossos clientes, a My Office.

 

161205_startaps_avila_c_lais_pereira (59).jpg

 Fotografia Avila Spaces

 

Mais sobre mim

foto do autor

Calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

BlogsPortugal

Google Analytics